terça-feira, 22 de setembro de 2020

Decisão de juiz da Comarca de SFI deixa Pedrinho Cherene elegível

Leia mais no VNOTÍCIA.  Efeitos do julgamento que reprovou as contas do ex-prefeitoforam suspensos; ainda cabe recurso.



O ex-prefeito Pedrinho Cherene conseguiu nesta segunda-feira, 21,  uma decisão favorável na Justiça que o torna elegível para concorrer na disputa pela Prefeitura de São Francisco de Itabapoana nas eleições de 2020. 

 

O juiz Márcio Roberto da Costa, da Comarca de São Francisco de Itabapoana, concedeu uma liminar ao ex-prefeito que suspendeu os efeitos do Decreto Legislativo nº 032/2018, que reprovou as contas do exercício de 2016 da gestão do ex-prefeito. A decisão não é definitiva, e o Município e a Câmara Municipal podem recorrer. 

 

Pedrinho Cherene conseguiu no início do ano uma decisão na 10ª Vara da Fazenda Pública da Capital, que anulou a sessão do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), sessão essa que recomendou, em abril de 2018, a reprovação das contas do político. Como nesta decisão o Município e a Câmara não foram citados, havia por parte de uma corrente jurídica a análise de que a decisão da 10ª Vara da Fazenda Pública não anulava também o decreto legislativo que reprovou as contas de Pedrinho, tornado-o inelegível por oito anos. 

 

Na decisão desta terça-feira, o magistrado citou "ser imprescindível a presença de parecer técnico do Tribunal de Contas para julgamento de contas do Executivo pelo Legislativo local".  Em outro trecho, o juiz disse que, como a validade do julgamento no TCE-RJ está sub júdice, ou seja, pendente de confirmação nas instâncias superiores, a motivação do ato legislativo que reprovou as contas de Pedrinho está "abalada e indefinida".  Para o juiz, pelo fato de haver uma decisão judicial que anulou um parecer técnico do Tribunal de Contas, os efeitos do decreto legislativo devem ser suspensos.

  

A defesa do ex-prefeito alegou também que não houve comprovação da sessão realizada em 27/12/2018 através de ata, argumento aceito pelo juiz. O VNOTÍCIA apurou junto a uma fonte que a referida ata existe.

  

Como a decisão cabe recurso, o caminho natural para as partes rés na ação (Município e Câmara) seria um recurso chamado embargos de declaração. Trata-se de um instrumento jurídico por meio do qual a parte pede esclarecimentos ao juiz ou tribunal sobre qualquer decisão proferida. A partir dos embargos um juiz pode modificar uma sentença. Paralelo aos embargos, as partes podem recorrer da decisão em segunda instância. 

 

Procurado pela reportagem do VNOTÍCIA, o procurador geral da Câmara de SFI, Maxsuel Barros, disse que a Câmara ainda não foi notificada, e que somente nesta terça-feira vai se interar sobre o processo, mas adiantou que a Câmara irá recorrer da decisão.

  

As batalhas jurídicas em torno deste imbróglio jurídico estão apenas começando. Como a decisão desta segunda-feira não deixa dúvida que, no momento Pedrinho está elegível, a expectativa é que o pedido de registro de sua candidatura seja protocolado nesta terça-feira, 22.

  

Pedrinho foi escolhido o candidato a prefeito do Progressistas. Os outros nomes escolhidos nas convenções partidárias para concorrerem nas eleições majoritárias em São Francisco de Itabapoana são: Francimara Azeredo, do solidariedade, atual prefeita do município; José Renato, do MDB, empresário; e o ex-deputado estadual e ex-vereador por Campos Papinha, do Republicanos.

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Incêndio na P-69 ocasiona parada total da unidade informa Sindipetro-NF

 

 


Leia no VNOTÍCIA.

 

O Sindipetro-NF, postou dia 19 de setembro, em seu site, que recebeu diversos relatos dos trabalhadores a bordo da P-69 relatando um grave incêndio ocorrido na última madrugada na plataforma.

 

Segundo os petroleiros o incêndio teve início no 1º piso do módulo 13, na sala de transformadores. O sistema de combate a incêndio automatizado de CO2 não funcionou, fazendo com que houvesse o combate ao fogo com pó químico, porém também não conseguiu debelar. Fez-se necessário o uso de água para conseguir evitar com que o incêndio tomasse maiores proporções.

 

Não há relato de feridos.

 

O informe inicial da gestão da empresa procura minimizar o grave acidente ocorrido, tratando como “princípio de incêndio”. Tal “princípio” ocasionou a parada total de uma das maiores plataformas de produção da Petrobrás com cerca de 162 mil boe.

 

Apesar da P-69 não estar localizada na área de atuação do NF, reforçamos o pedido para que a categoria petroleira envie mais informações e possíveis denuncias para o email denuncia@sindipetronf.org.br.

 

Em breve traremos maiores informações!

Adolescente ferido após queda de moto no Centro de São Francisco




Um adolescente de 15 anos, que pilotava uma motocicleta no Centro de São Francisco de Itabapoana, ficou ferido após sofrer uma queda da moto na manhã desta segunda-feira, na Rua Amaro Viana Netto, próximo aos fundos do Supermercado du Juca. Além do adolescente, uma jovem estava na motocicleta. A jovem na garupa saiu ilesa, mas o adolescente teve de ser socorrido pelo Resgate Municipal para o Hospital Manoel Carola. Felizmenmte, ele teve apenas escoriações pelo corpo. A queda da moto foi provocada por um problema mecânico, que teria travado o disco de freio da moto.

Motociclistas saem feridos em acidente com moto na RJ-196 em Guaxindiba

 


Dois motociclistas saíram feridos após colisão entre duas motos na RJ-196, na noite desde domingo, 20/09, próximo a um posto de combustível, em frente à propriedade de George Corujão.

 

Segundo informações de populares, um dos motociclistas, que mora na localidade de Amontado, Valdinei, 36 anos,  teve fraturas nos punhos e no fêmur. Ele foi socorrido para o Hospital Ferreira Machado, onde foi operado e segue internado.

A outra vítima é um jovem de 20 anos, da localidade de Funil, que sofreu escoriações e teve o braço imobilizado no Hospital Ferreira Machado, mas já teve alta.

 

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Comissão da Alerj aprova prosseguimento do processo de impeachment de Witzel

 Leia também no VNOTÍCIA



Relatório aprovado por unanimidade (foram 24 votos favoráveis) será votado em plenário. Caso aprovada por 47 parlamentares, a denúncia seguirá para o TJRJ e Witzel será oficialmente afastado

 

A Comissão Especial da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que analisou o pedido de impeachment do governador Wilson Witzel aprovou nesta quinta-feira (17/09), por unanimidade (foram 24 votos favoráveis), relatório pela admissibilidade da denúncia e a consequente autorização para prosseguimento do processo pela prática de crime de responsabilidade. A denúncia é baseada em supostos desvios financeiros cometidos por Witzel na área da Saúde, sobretudo junto a Organizações Sociais de Saúde (OSs) e na construção de hospitais de campanha para combate à pandemia do coronavírus. O parecer da comissão será publicado no Diário Oficial do Legislativo desta sexta-feira (18/09) e o projeto de resolução sobre o tema deverá ser votado em plenário até a próxima semana.

 

Caso dois terços dos parlamentares (o equivalente a 47 deputados) votem favoráveis ao impeachment, a denúncia será encaminhada ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ) e Witzel será afastado por 180 dias após a formação de um tribunal misto de julgamento - composto por cinco deputados e cinco desembargadores - que realizará o trâmite final do processo.

 

A reunião desta quinta ocorreu de forma semipresencial e em conformidade com os protocolos de segurança por conta da pandemia de covid-19. O encontro foi comandado de forma virtual pelo presidente do grupo, deputado Chico Machado (PSD), que não pode estar presencialmente no Plenário Barbosa Lima Sobrinho por estar se recuperando do coronavírus. “Durante todo o período respeitamos plenamente o direito de defesa de Witzel, bem como seguimos o trâmite legal do processo e a Constituição. Agradeço a todos os 25 partidos desta Casa e ao presidente André Ceciliano por sua conduta“, afirmou o deputado, que foi favorável ao documento elaborado pelo relator Rodrigo Bacellar (SDD). A comissão foi formada por 25 deputados de cada um dos partidos que compõem a Alerj.

 

Além de Chico Machado e Rodrigo Bacellar, todos os outros 22 integrantes da comissão presentes à sessão foram favoráveis ao relatório. São eles: Luiz Paulo (PSDB), Enfermeira Rejane (PcdoB), Dionísio Lins (PP), Renan Ferreirinha (PSB), Carlos Macedo (REP), Márcio Canella (MDB), Val Ceasa (Patriotas), Waldeck Carneiro (PT), Martha Rocha (PDT), Subtenente Bernardo (PROS), Brazão (PL), Marcus Vinícius (PTB), Léo Vieira (PSC), Alexandre Freitas (Novo), Eliomar Coelho (PSol), Marcos Abrahão (Avante), Marina Rocha (PMB), Valdecy da Saúde (PTC), Bebeto (Pode), Dr. Deodalto (DEM), Welberth Rezende (Cidadania) e Gustavo Schmidt (PSL). O deputado João Peixoto (DC) não participou da reunião – sendo o único que não votou - porque está licenciado devido a um problema de saúde.

 

Relatório

 

O relatório de 77 páginas, elaborado por Rodrigo Bacellar e lido na íntegra por ele durante a reunião, teve como base a denúncia de crime de responsabilidade por corrupção na área de Saúde protocolada, no dia 27 de maio, pelos deputados Luiz Paulo e Lucinha, ambos do PSDB. Para esclarecimento das denúncias, a comissão juntou documentos públicos da Secretaria de Estado de Saúde (SES) e do Ministério Público Federal (MPF), além de solicitar dados à Comissão Especial da Alerj que acompanha a situação fiscal do estado durante a pandemia de coronavírus, e analisar a defesa de Wilson Witzel entregue à comissão no dia 02 de setembro.

 

Em seu parecer, Bacellar ressalta que todo o tempo se preocupou em não fazer juízo sobre a condenação ou absolvição do governador. De acordo com o parlamentar, os documentos mostram irregularidades e prejuízos ao erário público durante a prestação de serviços das organizações sociais Unir Saúde e Instituto Iabas. “Como se depreende dos fatos narrados, não é preciso muito esforço argumentativo para se concluir que a fraude em contratos administrativos e o prejuízo de milhões aos cofres públicos nada tem de honroso, probo ou digno e muito menos se norteia pela busca do interesse público, configurada em tese, portanto, a prática de crime de responsabilidade”, afirma, em seu relatório. Ainda segundo o documento, “os fatos demonstram a supremacia do interesse privado sobre o público, o descaso com a vida e o oportunismo com a desgraça”, ressalta.

 

Deputados

 

Um dos autores da denúncia e integrante do grupo, o deputado Luiz Paulo declarou que a corrupção não pode mais ser tolerada no Rio. "É chegada a hora de dar um basta na plutocracia corrupta do Estado do Rio. Esta união ilícita entre o público e o privado tem que acabar", afirmou.

 

Deputados de diferentes correntes ideológicas também defenderam o impeachment, inclusive o parlamentar Leo Vieira, que é do mesmo partido de Witzel. "Apesar de fazer parte do mesmo partido do governador, tenho total independência do meu mandato e voto favorável ao relatório", pontuou.

 

O deputado Renan Ferreirinha foi enfático: "Por mais que sua defesa insista, Witzel não é inocente". Ele afirmou que os péssimos serviços de saúde pública levaram muitas pessoas à morte. "Faltam recursos aonde abunda a corrupção. Já passamos de 17 mil vítimas fatais pela covid-19 em nosso estado. Quantas dessas pessoas ainda poderiam estar aqui?", concluiu.

 

Já Alexandre Freitas ressaltou que todo o exposto no relatório ainda será julgado no mérito pelo tribunal misto e que este processo é político-administrativo, o que o difere do processo penal que Witzel responde e não é inviabilizado pelo mesmo. "Chama atenção a muito provável participação do governador nos desvios financeiros. Estamos votando a admissibilidade da denúncia, que posteriormente deverá ser julgada no mérito. Todo processo feito por esta Casa foi correto. Nossa missão é ingrata, porém necessária para o Estado do Rio e a população fluminense", destacou.

 

Unir Saúde e Iabas

 

O relatório aprovado pela comissão ressalta principalmente a relação entre o governo Witzel com duas organizações sociais: Unir Saúde e Iabas. O relatório pontua a confusão existente entre os reais proprietários das duas empresas, uma vez que as investigações realizadas pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, nas Operações Placebo e Favorito, afirmam que ambas seriam na verdade controladas pelo empresário Mário Peixoto. O relatório também cita que investigações dos órgãos federais e a denúncia protocolada na Alerj apontam fortes indícios de recebimento de vantagens indevidas por Witzel através do pagamento de honorários à sua esposa, Helena Alves Brandão Witzel. Nesse sentido, as investigações apontam que a primeira dama teria sido contratada por cerca de meio milhão de reais pela DPAD Serviços Diagnósticos LTDA, empresa que seria controlada, segundo as investigações, por operadores ligados à Mário Peixoto.

 

Especificamente sobre a Unir Saúde, o relatório ressalta a controversa requalificação da organização social, que havia sido desqualificada por resolução conjunta das Secretarias de Estado de Saúde e da Casa Civil, em outubro de 2019. As pastas desqualificaram a organização por supostas ilegalidades após o término de processo administrativo, no qual foi garantido o direito à ampla defesa e ao contraditório, o que gerou a rescisão dos contratos de gestão vigentes e na reversão dos bens e dos valores entregues, tudo sem qualquer direito à indenização por parte da organização punida.

 

No entanto, Witzel requalificou a Unir Saúde no dia 23 de março deste ano. Segundo o relatório “o denunciado, sem fundamento legal idôneo, utilizando do poder discricionário de conveniência e oportunidade, deu provimento ao recurso administrativo interposto pelo Instituto Unir Saúde, revogando sua desqualificação, restituindo ao instituto todos os direitos e obrigações contratuais anteriores à sua desqualificação, bem como possibilitando a assinatura de novos contratos com o Estado do Rio de Janeiro”.

 

No relatório constam diversos documentos que levaram a Subsecretaria de Controle Interno e Compliance, da Secretaria de Saúde, a pedir a desqualificação da Unir Saúde, entre eles a existência de 19 processos punitivos abertos em face da organização social com temas variados, tais como déficit de profissionais, problemas na estrutura utilizada, problemas de transparência das despesas, ausência de atendimento a desempenho mensal mínimo e o não recolhimento de impostos. O relatório aponta ainda que as informações obtidas junto ao Portal da Transparência do Governo do Estado indicam ter havido pagamentos, em período no qual a Unir Saúde estava desabilitada, da ordem de R$ 26,9 milhões, o que, segundo o relatório, “indica a existência de fortes indícios de dano ao erário, uma vez que sequer se buscou proteger o Estado contra o direcionamento de dinheiro público por pagamentos de serviços que não vinham sendo prestados e que, portanto, geraram as mais graves punições à contratada”.

 

Já com relação ao Instituto Iabas, o relatório levanta a questão de irregularidades sobre a construção dos hospitais de campanha para o combate da pandemia de coronavírus. O documento levantou as provas do Ministério Público Federal de suposta existência de orçamentos fraudados para serviços de montagem e desmontagem de tendas, instalação de caixas d'água, geradores de energia e piso para a formação da estrutura dos hospitais de campanha. Segundo o MPF, Witzel teria o comando da estrutura que deu suporte às fraudes. O documento afirma que o Instituto Iabas deveria construir mais de 1.400 leitos em hospitais de campanha e que, somente após fatos repercutidos na imprensa, Witzel decretou a intervenção nos hospitais sob gestão do Iabas. Consta no relatório que “mesmo tendo havido o descumprimento na execução do contrato, amplamente veiculada, e que culminou com a mencionada intervenção, foram apurados pagamentos realizados pelo Governo do Estado ao Instituto Iabas da ordem de R$ 256,5 milhões”.

 

Defesa de Witzel

 

Os advogados de Witzel enviaram a defesa com uma petição de 40 páginas e mais de 400 folhas de documentos anexos no dia 02 de setembro. Os advogados afirmam que as denúncias seriam “especulativas, baseadas em matérias jornalísticas espetaculosas". Os advogados também criticam o inquérito aberto no Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra Witzel, decorrente das investigações dos órgãos federais, que levaram inclusive ao afastamento de Witzel pelo STJ no último dia 28 de agosto, após a deflagração da Operação Tris in Idem. Desde então, Cláudio Castro, então vice de Witzel, está atuando como governador interino. Sobre a requalificação da Unir Saúde, a defesa afirma que o objetivo foi a não paralisação de 10 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Já sobre Helena Witzel, os advogados afirmam haver criminalização da advocacia por parte da acusação.

 

No entanto, os argumentos de defesa não convenceram o relator do processo de impeachment e nem os deputados da comissão da Alerj. Rodrigo Bacellar afirmou, em seu relatório, que ao abrir mão de mecanismos de controle postos à disposição da administração para dar provimento a recurso contrário a todas as informações técnicas existentes, Witzel agiu dolosamente contra os interesses públicos e em benefício de interesses privados, o que, para o deputado, demonstra a justa causa para o prosseguimento do processo de impeachment. O parlamentar também indeferiu, em seu relatório, a produção de novas provas solicitadas pela defesa e ressaltou que a colheita de novas evidências deve ser feita na próxima etapa processual – no caso, a comissão mista a ser estabelecida pelo TJRJ.

 

Bacellar também é claro em seu relatório ao afirmar que o documento não trata do afastamento de Witzel, mas sim do prosseguimento da denúncia de crime de responsabilidade. Atualmente, Witzel está afastado cautelarmente do cargo por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Caso a Alerj aprove o parecer da comissão e após formação do tribunal misto de julgamento, Witzel ficaria duplamente afastado - pelo inquérito que responde no STJ e pelo processo de impeachment.

 

Leia a íntegra do relatório aprovado pela comissão aqui.

 

Trâmites do processo

 

A abertura do procedimento para apuração de crime de responsabilidade do governador Wilson Witzel ocorreu durante sessão plenária no dia 10 de junho, com a aprovação unânime dos deputados. Na prática, a abertura do processo poderia ser uma decisão exclusiva do presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT), que preferiu consultar seus pares. Após a abertura, foi instalada no dia 18 de junho a comissão para analisar o pedido de impeachment e a denúncia protocolada pelos deputados Luiz Paulo e Lucinha. O grupo, composto por 25 deputados, de todos os partidos com representação na Casa, foi validado por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes no dia 28 de agosto, após o rito do impeachment ter sido suspenso pelo presidente do STF, Dias Toffoli, no dia 27 de julho, que atendeu ao recurso da defesa questionando a formação da comissão especial.

 

O trâmite segue os ritos da Lei Federal 1.079/50, que regulamenta o julgamento de crimes de responsabilidade, e a interpretação do próprio STF na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 378, que orientou o rito de impeachment da presidente Dilma Roussef, em 2016.

 

Próximos passos do processo de impeachment

 

1- O resultado do parecer da comissão será publicado no Diário Oficial do Legislativo nesta sexta-feira (18/09);

 

2- A partir de segunda-feira (21/09) começa a contar prazo de 48h para o parecer ser inserido na pauta do Plenário da Alerj;

 

3- Contadas as 48h, o parecer já poderá ser votado na próxima quarta-feira (23/09);

 

4- A votação em plenário pode levar mais de um dia. Os deputados, no limite máximo de cinco por partido, podem discutir o parecer pelo prazo máximo de 1 hora. Sendo os questionamentos respondidos pelo relator. Encerrada a discussão será aberta a votação nominal;

 

5 - Para o prosseguimento do impeachment é necessária a aprovação de dois terços dos parlamentares, ou seja, 47 deputados. Após a votação em Plenário, o resultado é publicado no Diário Oficial do Legislativo;

 

6 - Se o resultado for pelo prosseguimento de impeachment do governador, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ) é comunicado para dar início à formação do tribunal misto;

 

7 - Esse tribunal será formado por cinco deputados - eleitos pela Alerj - e cinco desembargadores - eleitos por sorteio com critérios definidos pelo TJRJ;

 

8- A partir da formação do tribunal misto começa uma nova etapa onde o governador é afastado por até 180 dias enquanto o tribunal analisa a questão. O presidente do TJRJ terá voto de minerva caso haja empate sobre o impeachment no tribunal misto.


Jovem sai ferido em acidente de moto com carro em São Francisco de Itabapoana

Mais detalhes no VNOTÍCIA --- Colisão frontal de moto com carro foi em Ladeira das Pedras.

Um acidente envolvendo uma mota e um carro por volta das 13 horas desta quinta-feira, 17/09, na RJ-224 em Ladeiras das Pedras, localidade ao norte de São Francisco de Itabapoana (RJ), deixou ferido um jovem motociclista morador do lugar.

 

A colisão, segundo populares, foi frontal e ocorreu numa curva da RJ-224 conhecida como “curva do avestruz”. O jovem, lúcido e conversando, foi socorrido pelo resgate municipal para o Hospital Municipal Manoel Carola.

  

Segundo, ainda, populares ele teria cochilado na moto quando aconteceu a colisão. O motorista do carro de passeio, um veículo modelo Corsa, não sofreu ferimentos.

 

O jovem, com o impacto da colisão, foi jogado às margens da rodovia onde ficou deitado à sombra de um guarda-sol, improvisado por moradores, até a chegada do resgate que foi rápida. O estado de saúde do jovem inspira cuidados. Ele ficou em observação médica.

 

 

PM detém homem em flagrante por queimada na localidade de Batelão de Barra

 

A prática, recorrente em SFI é considerada um crime ambiental

 

Leia aqui no VNOTÍCIA





quinta-feira, 10 de setembro de 2020

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Mais cinco partidos divulgam suas convenções partidárias em SFI


Cidadania, Democratas, Avante, PT e PL enviaram ao VNOTÍCIA editais de convocação


Leia aqui no VNOTÍCIA

 



 


Presidente da Câmara de SFI Cocoia é internado e passa por cateterismo


Exame detectou obstrução em uma das artérias coronárias; vereador está no Hospital Prontocárdio


Leia aqui no VNOTÍCIA





 


sábado, 5 de setembro de 2020

Morre radialista e pré-candidato a prefeito de SJB Emilson Amaral

Leia no VNOTÍCIA.


Morreu na tarde deste sábado, 05/09, em Campos dos Goytacazes, no Hospital Doutor Beta, o radialista e pré-candidato a prefeito de São João da Barra, Emilson Cardozo Amaral, 63 anos. Ele estava internado na UTI daquela unidade hospitalar.

 

Emilson deixa esposa, dois filhos e uma neta. Segundo Rosaura Amaral, irmã de Emilson, ele deu entrada ontem, 04/09, no Doutor Beda, com insuficiência respiratória aguda com suspeita do novo coronavírus.

 

"Ele foi para o Doutor Beda durante a madrugada onde permaneceu no apartamento em companhia da esposa. Na manhã deste sábado, a equipe médica decidiu pela transferência para UTI. Ele teria resistido em ir para a UTI e estava muito nervoso. Mas, foi convencido pelos médicos. Na UTI, teve uma parada cardiaca e veio a óbito", disse a irmã Rosaura.


O radialista era proprietário de empresa de sonorização e iluminação e atuava na rádio Barra FM, 87,9, onde apresentava o programa Bom dia Cidade.

sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Piora estado de saúde do deputado João Peixoto

 Está confirmado que João tem COVID-19

http://vnoticia.com.br/noticia/4735-piora-estado-de-saude-do-deputado-joao-peixoto

  

Em nota divulgada no início da noite desta sexta-feira, 04/09, o Hospital particular Doutor Beda informa que o deputado estadual João Peixoto,75 anos, apresenta sorologia evidenciando anticorpo IGG positivo para COVID-19.

 

Segundo o Hospital o paciente João Alves Peixoto encontra-se entubado respirando com ajuda de aparelhos. Está sedado e analgesiado com bloqueio neuromuscular.

 

Segundo ainda o Hospital o paciente vem mantendo pressão arterial estável, sem ajuda de medicação. Apresenta função renal comprometida, sem necessidade de diálise no momento.  

 

 

 

Morre tenente Karl que comandou DPO em SFI

 


Falecimento foi durante intervenção cirúrgica na artéria aorta

https://vnoticia.com.br/noticia/4734-morre-tenente-karl-que-comandou-dpo-em-sfi

 

 

 

Vítima de um aneurisma na artéria aorta faleceu na tarde desta sexta-feira, 04/09, por volta 16 horas, no Hospital Unimed em Campos dos Goytacazes, o tenente Sérgio Rodrigues Karl, 61 anos.

 

VNOTÍCIA apurou que o tenente Karl passou mal na casa de veraneio em Santa Clara na quinta-feira, 3/09. Levado para o Hospital Unimed, ele veio a falecer durante a intervenção cirúrgica do aneurisma na artéria aorta na tarde desta sexta-feira.

 

Tenente Karl trabalhou muitos anos em São Francisco de Itabapoana e chegou a comandar o DPO de SFI, hoje 3ª Cia da PM, durante o período de 1997 a 2000.

 

O coronel Eduardo Dias, presidente a Empresa Municipal de Trânsito de SFI disse  que era amigo do Karl, lamentou o falecimento do amigo. “Entremos na PM juntos”, disse Eduardo.

 

O coronel Amilton Barreto, que comandou o 8ª BPB de Campos dos Goytacazes disse que o tenente Karl ultimamente se dedicava a religião católica. “Foi ministro de Eucaristia de uma igreja católica em Campos e fazia parte do “Terço dos Homens”, disse lamentando, também, a morte do colega.

 

Ambos enviaram pêsames aos familiares. 

 

 

Mais seis partidos divulgam convenções partidárias em São Francisco de Itabapoana


Solidariedade, PSD, PSC, PSL, PP e PSDB enviaram ao VNOTÍCIA editais de convocação


Leia aqui no VNOTÍCIA