Clique abaixo para ouvir a Rádio São Francisco direto no site

________________________________________________________

quarta-feira, 18 de março de 2015

Prejuízos da seca em SFI preocupam poder público



O período prolongado de estiagem que atinge a região Norte-Fluminense tem causado perdas financeiras e afetado negativamente os recursos naturais em São Francisco.

O prefeito Pedrinho Cherene destacou que tem unido esforços de todas as secretarias municipais,  entre outros órgãos,  junto à Defesa Civil para o enfrentamento da seca na região.

"Embora esteja acontecendo toda essa mobilização para amenizar os efeitos colaterais da estiagem, a realidade no nosso município é cada vez mais alarmante,  mas continuaremos ajudando a população a superar esse momento crítico, oferecendo os recursos necessários", ressaltou.

O Departamento Municipal de Defesa Civil está recebendo as informações das secretarias e alimentando o Sistema Nacional, informando ao Estado e à União o que está se passando no município por conseqüência do longo período de estiagem.

A agricultura e a pecuária, maiores fontes de renda do município, foram fortemente afetadas em virtude do extenso período de seca.

Só no ano de 2014 os prejuízos da produção de leite alcançaram 9 milhões de reais. Aproximadamente 2 mil animais morreram, totalizando cerca de 4 milhões de reais em prejuízo. Para evitar maiores perdas, parte dos rebanhos teve que ser enviada para corte sem estar totalmente preparada, reduzindo o preço da arroba.

As produções de cana-de-açúcar e aipim, somadas, ultrapassaram 15 milhões de reais em prejuízos. A produção de abacaxi teve uma queda de 15%, totalizando uma diminuição de cerca de 10 milhões de pés, não tendo sido o prejuízo mensurado em reais.

Na piscicultura, as perdas foram extremamente grandes. Os reservatórios e açudes foram reduzidos a níveis extremamente críticos, reduzindo também os níveis de oxigênio na água, que estiveram muito próximos do zero. As perdas financeiras não puderam ser mensuradas.

O ano de 2015 tem demonstrado estar ainda mais crítico, sendo esperada, por exemplo, uma diminuição de aproximadamente 50% na produção de cana-de-açúcar referente à safra 2014/2015, em relação à safra anterior.

Com isso, o número de famílias que tiveram seus modos de trabalho afetados foi grande, aumentando drasticamente a distribuição de Cestas Básicas. Membros de aproximadamente 250 famílias ficaram impossibilitados de exercer suas profissões.

A pecuarista e agricultora Nacíbia Coutinho, da localidade de Praça João Pessoa foi uma das atingidas pela seca. Com pouco pasto e já no fim de sua plantação de cana, exclusivamente utilizada para alimentar seus animais, Nacíbia recorreu à compra de fubá para completar a ração do gado. “Com essa seca, nós não encontramos pasto para alugar aqui na região.

Estamos comprando cana e fubá para alimentar o gado, mas a produção de leite caiu muito. Já tivemos que vender vários animais para arcar com os custos, mas com o gado magro, o preço da arroba caiu quase pela metade”, desabafou a pecuarista.


Segundo o subsecretário de Defesa Civil de São Francisco, Cel. Silas Rocha, o momento do município é crítico. “A previsão é que, se a situação permanecer inalterada em relação aos índices pluviométricos, ou seja, sem que chova o suficiente no mês de março, o município poderá decretar situação de emergência”, frisou.

Ascom-SFI

Nenhum comentário: