Clique abaixo para ouvir a Rádio São Francisco direto no site

________________________________________________________

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Crime que chocou Travessão de Barra será julgado em Campos em 15 dias

Andréia filha de Zilar e Helmo Fagundes foi assassinada na frente do filho em 2006.
Hilário Muniz e a comerciante, com o filho do
casal,  à época do crime que chocou SFI.
 (Reprodução / Carlos Emir)

Quase dez anos depois do assassinato da comerciante Andréia Moreira Duarte, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) marcou para o próximo dia 15 o julgamento de Hilário Antônio Gomes Muniz, apontado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) como o principal suspeito do crime. A Sessão Plenária está marcada para às 10h, no Fórum Maria Tereza Gusmão. Andréia foi encontrada morta na casa dos pais na manhã do dia 6 de março de 2006, no Distrito de Travessão de Barra, em São Francisco de Itabapoana (SFI).

À época, o corpo da vítima foi encontrado pelos pais, os comerciantes Helmo Fagundes Duarte e Zilar Moreira Duarte. Segundo relatou o Jornal O Diário, também à época do crime, eles chamaram a polícia após receberem uma ligação da mãe de Hilário, contando que algo de errado teria acontecido, pois o suspeito estava bastante nervoso. Informações davam conta que Andréia foi morta com um tiro na cabeça, na frente do filho de dois anos.

A comerciante Maria Aparecida Siqueira, 50 anos, que é amiga da família e madrinha do filho do então casal, contou que Hilário se apresentou em sede policial quase dois meses depois do homicídio. Ela ressaltou ainda que o suspeito ficou apenas nove meses preso e foi solto através de habeas corpus. O filho de Andréia e Hilário completou 11 anos em 2015 e mora com os avós maternos.


Por telefone, a mãe de Andréia contou que, logo após a morte da filha, o neto iniciou tratamento com psicólogo e neuropediatra. “Aos cinco anos ele começou a contar que estava no colo da mãe, quando a minha filha foi atingida pelo tiro. Ele falava ainda que passou as mãos no rosto dela e as sujou de sangue. Ele já ficou sabendo do julgamento e tudo isso ainda mexe com as nossas vidas até hoje. Queremos que ele (Hilário) pague um pouco pelo que fez, pois nada vai trazer a minha filha de volta”, disse Zilar, emocionada. (Fonte: Jornal O Diário/ Telmo Filho)

Um comentário:

lucia disse...

Meu Deus!!! Que sofrimento para esta família ter que esperar 10 anos para que justiça seja feita. Na época o Município de São Francisco todo ficou muito chocado com esta barbaridade. Desejo muita força aos pais durante este processo.